Notícias
10 de Julho de 2018

A Flip – Festa Literária Internacional de Paraty 2018 contará com importantes escritores portugueses

De 25 a 29 de julho | Paraty, Rio de Janeiro

Foto da Noticia
332 pessoas leram esta notícia.

Com o apoio do Camões – Centro Cultural Português em Brasília, a Flip – Festa Literária Internacional de Paraty 2018, acontece de 25 a 29 de julho, em Paraty (Rio de Janeiro),  e contará com a presença de Maria Teresa Horta, Isabela Figueiredo e Vasco Pimentel.

A 16ª edição da Flip homenageia a escritora brasileira Hilda Hilst, considerada pela crítica uma das maiores escritoras de língua portuguesa do século XX. (http://flip.org.br/edicoes/flip-2018/homenageada)

Desde 2003, a Flip oferece todos os anos em Paraty uma experiência única, permeada pela literatura. Sempre em conexão com a cidade que a recebe, a festa é mais do que um evento, é uma manifestação cultural. Numa interlocução permanente entre as artes, propaga vivências focadas sobretudo na diversidade.

Às margens do rio Perequê-Açu, numa tenda especialmente montada para a festa, autores se reúnem em conversas que transitam por múltiplos temas, como teatro, cinema e ciência. Além disso, a Flip oferece uma programação que mantém seus princípios fundadores: originalidade, intimismo, informalidade, o encontro singular entre escritores e público e, acima de tudo, ações de permanência.

Mais informações e a programação completa em flip.org.br.

Quem faz a Flip

A Casa Azul é uma organização da sociedade civil de interesse público e sem fins lucrativos que desenvolve projetos nas áreas de arquitetura, urbanismo, educação e cultura. Há mais de vinte anos, desenvolve ações capazes de potencializar importantes transformações no território, a exemplo da Flip. Em Paraty, onde a associação se originou, esse processo levou à realização de ações de permanência, como a Biblioteca Casa Azul e o Museu do Território de Paraty, que seguem em funcionamento durante todo o ano.

A programação da Flip é realizada por meio da lei de incentivo à cultura do Ministério da Cultura do Governo Federal e conta com patrocínio oficial do Itaú, co-patrocínio do BNDES e da EDP e apoio da Três Corações, por meio da Leide Incentivo da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro.

Edição 2018

Este ano as mesas literárias estão estruturadas em torno de temas como o amor, o sexo, a morte, Deus, a finitude e a transcendência – todos presentes na obra de Hilda Hilst – , configurando, assim, uma Flip que será mais íntima”, afirma a curadora do Programa Principal, Joselia Aguiar.

A Flip 2018 reúne 33 autores e autoras em seu programa principal –17 mulheres e 16 homens. Os convocados são poetas, romancistas, contistas, ensaístas, historiadores; também atrizes, cineasta, editores, compositores, fotógrafo, performers, slamer, sound designer. Multiculturais, muitos vivem em países diferentes de onde nasceram, tendo passado por outros tantos territórios no decorrer de suas trajetórias.

Curadora

Joselia Aguiar nasceu em Salvador (BA) e vive em São Paulo. É jornalista formada pela Universidade Federal da Bahia (BA), mestre e doutoranda em história pela Universidade de São Paulo (USP). Em jornalismo, de início trabalhou com assuntos internacionais. Na Folha de S. Paulo, foi repórter, redatora e correspondente em Londres. Assinou depois uma coluna e um blog de livros. Editou a EntreLivros, revista mensal sobre livros entre 2005 e 2008, já extinta. Foi curadora do Festival da Mantiqueira (2014) e da Festa Literária Internacional de Paraty (2017). É professora do núcleo de não ficção no Instituto Vera Cruz e já ministrou oficinas de escrita de não ficção no Sesc.Participou de júris de prêmios como Oceanos, Portugal Telecom e São Paulo de Literatura. A convite da editora Três Estrelas, escreveu a biografia do escritor Jorge Amado, projeto iniciado em 2011, cujo lançamento ocorrerá em breve.

 “Com um programa plural, tentei fazer ano passado um recorte do mundo de Lima Barreto. Com o mesmo programa plural, tento desta vez fazer um recorte do mundo de Hilda Hilst”, diz Joselia Aguiar, que fez a curadoria da edição de 2017 e de 2018.

Autores portugueses

Entre os escritores já confirmados, estão importantes nomes da literatura portuguessa como Vasco Pimentel, Maria Teresa Horta e Isabela Figueiredo.

Maria Teresa Horta

Maria Teresa Horta (Lisboa,1937) é ficcionista, poetisa – palavra com que prefere ser chamada – e jornalista. Foi censurada pelo regime salazarista e tornou-se uma voz potente do feminismo. Publicou Novas Cartas Portuguesas (1971), com Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa, de forte impacto pelo teor erótico; As Luzes de Leonor (2012) e Minha Senhora de Mim – apreendido pela polícia portuguesa em 1971 e republicado em 2015 –, todos pela Dom Quixote. Entre os mais recentes, está o livro Anunciações (2016). Na Flip, lança Antologia de Poesia Erótica, pela Oficina Raquel, que também editou Azul-Cobalto, de contos, em 2014.

Isabela Figueiredo

Isabela Figueiredo (Lourenço Marques, atual Maputo, 1963) é um escritora filha de portugueses que retornaram para Lisboa depois da independência de Moçambique. Estudou línguas e literaturas lusófonas, sociologia das religiões e questões de gênero. Foi jornalista no Diário de Notícias e hoje é professora de português. Conto é como quem diz (1988), seu livro de estreia, recebeu o primeiro prêmio da Mostra Portuguesa de Artes e Ideias. Publicou Caderno de memórias coloniais, que se tornou obra central no debate sobre racismo e o passado colonial português, e o recente A gorda (ambos pela Todavia, 2018).

Vasco Pimentel

Vasco Pimentel (Lisboa –1957) é diretor de som com estudos musicais pelo Conservatório Nacional de Lisboa e formação em cinema pela Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. Em atividade desde 1979, trabalhou em mais de 140 filmes de longa-metragem – entre eles O Céude Lisboa, de Wim Wenders; Aquele Querido Mês de Agosto, de Miguel Gomes; Vazante, de Daniela Thomas, e Hilda Hilst pede Contato, de Gabriela Greeb. Ministrou aulas e workshops em instituições como a Universidade Nova de Lisboa, a London FilmSchool e a Cineteca de Madri.

Programação prevista para os autores portugueses

Quinta-feira, 26 de julho

10h | Mesa 2 | Performance sonora

Gabriela Greeb

Vasco Pimentel

A voz, a escuta e as divagações literárias e existenciais de Hilda Hilst registradas em fitas magnéticas na década de 1970 são apresentadas pela cineasta Gabriela Greeb e o sound designer português Vasco Pimentel.

12h | Mesa 3 | Barco com asas

Júlia de Carvalho Hansen

Laura Erber

Maria Teresa Horta (em vídeo)

Esse diálogo inusitado reúne, por vídeo, um grande nome da poesia de Portugal do último meio século e, em Paraty, duas poetas brasileiras influenciadas pela lírica portuguesa que têm pontos em comum com Hilda Hilst.

Sábado, 28 de julho

10h | Mesa 12 | Som e fúria

Jocy de Oliveira

Vasco Pimentel

A escuta e a criação de universos sonoros: para esse diálogo, encontram-se uma das pioneiras da música de vanguarda no país, hoje dedicada à ópera multimídia, e um sound designer português – os dois conhecidos pelo rigor e pelo preciosismo.

12h | Mesa 13 | O poder na alcova

Simon Sebag Montefiore

Historiador britânico best-seller que publicou biografias de Stálin, dos Romanov e, agora, de Catarina, a Grande, conta, nessa conversa com dois entrevistadores, como faz para retratar figuras centrais da política em seus pormenores mais íntimos.

15h30 | Mesa 14 | Obscena, de tão lúcida

Isabela Figueiredo

Juliano Garcia Pessanha

Uma romancista portuguesa nascida em Moçambique que tratou de temas como o racismo e a gordofobia se encontra com um narrador de gênero híbrido e filosófico para discutir a escrita de si, os diários e as memórias, o corpo e o desnudamento.